Les élections de 1993

                                         LES ELECTIONS DE 1993

     Nous sommes bien d’accord que les coutumes de la société québécoise ont bien changé depuis 1950. Nous le sentons. Nous le vivons. Il y a, aujourd’hui, un mode de penser et d’agir qui contredit les principes moraux alors acceptés et respectés. Tout cela n’est pas mauvais. Au contraire. Mais puisqu’il faut appeler les choses par leur nom, nous disons donc que nous traversons une « crise morale ». Mais ce qui est plus sérieux encore que la « crise morale » c’est la « crise de la morale » qui nous pousse à accepter avec la plus grande naturalité le fait qu’il n’est pas nécessaire d’avoir de norme qui oriente notre vie privée et notre vie publique. Vous savez, c’est très sérieux et très dangereux lorsque, comme personne ou comme peuple, nous n’acceptons plus la morale, c’est-à-dire les valeurs qui garantissent la réalisation personnelle et sociale de l’être humain. Quand cela arrive, tout homme et toute femme perd sa dignité et le sens de sa vie.

     Savoir vivre au milieu de son temps est source d’équilibre et d’engagement. Savoir questionner son temps est signe de recherche et d’avancement. Voici pourquoi à l’approche des élections fédérale et municipale et, dans quelques mois, provinciale, j’ai cru opportun vous adresser cette lettre. Question de vouloir faire un pas avec vous pour, au moins, comprendre la situation qui se dégrade à chaque jour. Au milieu de cette crise je sais que beaucoup parmi nous s’interrogent, réfléchissent, souffrent et se défendent tant bien que mal. L’intérêt ou le désintérêt des citoyennes et des citoyens à la vie publique est le signe de la vitalité ou de l’engourdissememt de la vie démocratique du pays ou de la municipalité.

     Comme pasteur de notre communauté chrétienne, il me semble opportun rappeler certaines valeurs qui trouvent leur fondement dans le comportement de Jésus et que nous retrouvons dans les Évangiles. Je vous livre quatre points qui, à mon avis, peuvent aider à comprendre le pourquoi de la crise morale actuelle. Les voici:

 

1. Dans la société d’aujourd’hui, l’économie, la politique et la technique suivent leur propre logique. Reconnaître et affirmer leur autonomie est un avancement important mais si nous oublions leur référence à la religion et à la morale nous risquons fort de perdre le sens du service aux personnes et l’importance du Bien Commun si nécessaire à l’harmonie de la vie en société.

2. Dans ce contexte, la société stimule et encourage l’INDIVIDUALISME. C’est la culture du « chacun pour soi ». On privilégie très souvent et parfois exclusivement les intérêts individuels dans la prise de ses décisions. On dit par exemple « c’est toi qui décide ». C’est très vrai que chacun et chacune est appelé à prendre ses décisions personnelles mais encore faut-il que toute décision évite la création de préjudice à la collectivité. L’INDIVIDUALISME gruge par l’intérieur les valeurs de la fraternité et de la solidarité. C’est l’attitude de Cain: »Suis-je le gardien de mon frère ? »(Gn. 4,9)

3. « C’est en se donnant qu’on reçoit » disait Saint François d’Assise. En regardant autour de soi, nous ne sommes pas sans constater que la vie sociale se détériore graduellement à tous niveaux. On y perçoit même des gestes de corruption et de violence. Ça semble une conséquence logique d’une société où la défense des intérêts privés prime sur les besoins de la collectivité.

 

     Ne serait-il pas bénéfique nous questionner et questionner toute personne au service du public sur la nature des intérêts défendus ? En politique, cherchons-nous à répondre aux besoins de la population ou à satisfaire les intérêts d’une clientèle choisie?

4. Enfin, tout cela attire notre attention sur les inégalités sociales qui engendrent un état d’injustice et de pauvreté. On a imprimé le mythe de la richesse chez tous et toutes et la lutte s’engage sournoisement. La propagation du travail au noir en est un exemple patent. On peut même se demander si telle pratique n’est pas volontairement planifiée pour favoriser les intérêts des plus nantis ?

 

     La crise morale et la crise de la morale sont à nos portes. Au moment où nous sommes appelés à exercer un devoir de citoyenneté, prenons un temps pour mieux évaluer l’importance que nous donnons à la vie publique et pour mieux discerner le choix que nous aurons à faire.

     Beaucoup parmi vous s’interrogent sur l’opportunité de nouveaux styles de vie marqués par la liberté et la solidarité. On a aussi soif d’expérience qui ouvre au sacré. C’est un chemin plein d’espérance à condition qu’on veuille vivre incarné dans la réalité d’aujourd’hui. Vivre l’aujourd’hui à la manière du passé ou vivre l’aujourd’hui dans un contexte étranger à la réalité vécue sont deux options qui conduisent à nulle part. La nostalgie du passé et la fuite du réel détruisent l’histoire plus qu’elles ne la construisent.

     En terminant, dans une perspective d’une meilleure préparation aux élections qui s’en viennent, je vous propose deux questions :

     Quelle sera ta participation à la vie publique ? Crois-tu important participer à la vie publique ?

     Quelles valeurs orienteront le choix de ton vote aux prochaines élections ?

     Ensemble, réaffirmons notre volonté de faire de notre milieu un oasis de paix. C’est ce que nous appelons construire le Royaume de Dieu. N’est-ce pas ce que nous désirons ici, chez-nous ?

Saint-Nicéphore, 18 octobre 1993

                                  Victor Asselin, ptre curé

Apresentação do Manual do Eleitor

 

                                Apresentação do Manual do Eleitor*

        Fala o cidadão pela sua qualidade de participação. Fala o candidato político pela sua ética de comportamento. Participar com ética é, sem dúvida, o voto por excelência em tempo de campanha eleitoral.

        Com a finalidade de realizar este mais alto desejo, o jornalista JOSÉ LUIS quis colaborar tanto com o eleitor quanto com o candidato e seus auxiliares. Percorreu toda a legislação eleitoral, escrutando-a em todos os seus aspectos, fazendo dela um instrumento valioso e ao alcance de todos e todas que quisessem viver uma campanha eleitoral cidadã.

        Não se discute e nem se analisa o conteúdo deste “MANUAL ELEITORAL 2008”. Basta utilizá-lo para descobrir a sua razão de ser e admirar seu Autor pela pertinência da matéria e pela atualidade da publicação. Você, leitor, querendo uma resposta resumida de o comportamento a seguir no decorrer da campanha eleitoral, percorre a primeira parte. Quer estudar de maneira mais detalhada os assuntos de PROPAGANDA ELEITORAL, CONDUTAS VEDADAS e PESQUISAS ELEITORAIS, basta ir à segunda parte. Caso você queira saber algo a respeito da COMPRA DE VOTOS, PRESTAÇÃO DE CONTAS, e POSSIBILIDADES DE INELEGIBILIDADE, chega logo à terceira parte. Enfim, a quarta parte lhe dá acesso ao CALENDÁRIO ELEITORAL e a algumas tabelas importantes a ser consultadas.

        Ser POLÍTICO é uma das vocações mais dignas que o mundo conhece. Aprender a ser político e a FAZER POLÍTICA é uma aprendizagem corajosa que os tempos atuais exigem.  Passar de uma mentalidade mesquinha e fechada a serviço dos interesses individuais, navegando numa promiscuidade entre o público e o privado, a uma mentalidade generosa e aberta a serviço do BEM COMUM, só pode se concretizar por pessoas apaixonadas pelo seu povo e pela sua pátria. Queira que este “Manual” sirva para conquistar mais um passo na vida política dos municípios. Será a maneira mais concreta de agradecimento dirigida ao seu  AUTOR pelos muitos esforços que dedicou em confeccioná-lo.

        O Papa Paulo VI escrevia que “a política é uma maneira exigente de viver o engajamento cristão ao serviço dos outros”.  Como fazer para que a política, neste tempo de eleições, seja a “arte do possível”? As eleições dos últimos anos são o resultado de fracassos, de angústias, de demorados sofrimentos, de teimosia no trabalho e de uma fé profunda que sempre os sustentou. Apesar de todas as suas ambigüidades e limitações, são resultados inéditos. Somos cada vez mais conscientes da necessidade da participação para continuar e sustentar o espaço conquistado na construção do NOVO.

        Com esta obra, o AUTOR abre um espaço de trabalho articulado, aberto e corajoso para realizar um processo competente e participado. PARABÉNS!

                                               Victor Asselin

* José Luis Melo, jornalista em São Luis do Maranhão, Brasil, estudou a legislação eleitoral do Brasil e elaborou um manual para os eleitores na ocasião das eleições de 2008. Eis a apresentação do Manual.

Ainda é o melhor !

Ainda é o melhor !

            Apesar de não possuir nenhuma estação de rádio, de televisão, de jornal ou de qualquer meio de publicidade que divulgasse os trabalhos realizados, o prefeito Jonas Demito junto ao seu secretariado e auxiliares continua trabalhando em benefício do povo balsense. Falou-se de uma cidade esburacada. É a única conversa circulando a respeito da administração atual. E porque não se fala da qualidade da educação municipal, dos serviços de saúde dispensados, dos projetos da ação social amparando crianças, jovens, adultos e idosos, dos projetos agrícolas, das finanças que ainda pagam contas das administrações anteriores, entre elas quase cem processos trabalhistas dos anos1992 a2000, da folha de pagamento que não chega a atrasar de um mês e mais ainda !  A mídia de Balsas está a serviço de quem ? dos quais interesses ?

            Uma campanha eleitoral está se preparando. Tem-se costume de ganhar uma eleição distribuindo favores de toda natureza.O que será a campanha 2004 ? Revendo e relendo a história, deparamo-nos constantemente com uma oligarquia contornando as lutas populares procurando se libertar do cerco da dependência. Chegou a hora de entender que distribuir favores é instrumento de desprezo do ser humano. Chegou o momento de entender que o verdadeiro PODER reside na consciência que cada cidadão tem de sua DIGNIDADE. Por isso, todo trabalho do despertar da consciência contribui ao crescimento da cidadania. Toda organização buscando seus direitos e cumprindo seus deveres merece respeito.

            O eleitor de Balsas é convidado a refletir JÁ sobre o tipo de Governo municipal que quer e sobre seus candidatos. O cidadão que depositará seu voto de acordo com o favor recebido, já terá recebido o que merece; o cidadão que depositará seu voto de acordo com a vontade de unir esforços para melhorar a cidade, seu emprego, sua qualidade de vida receberá todos os dias as respostas do seu sonho.

            Que sonho pode ser este ? Sonha-se de um município onde reinará a liberdade, onde os direitos humanos serão respeitados, onde serão garantidas as condições básicas da vida, onde existirão novas relações de igualdade, de respeito, de autenticidade, um mundo onde o outro não será o inimigo mas será aceito como uma parte de si mesmo, um mundo onde todos terão acesso às riquezas, onde todos se respeitarão e viverão sua autonomia na cumplicidade das diferenças. Eis um município do futuro onde poderão ser arvoradas as bandeiras de diversos Estados deste país.

Balsas, 30 de abril de 2004

                                                                   Victor Asselin

Abertura do IIº encontrro regional do Ministério Público

 

ABERTURA  DO  IIo   ENCONTRO   REGIONAL   DO   MINISTÈRIO   PÙBLICO 

Balsas, novembro de 2003

Bemvindas e bemvindos.

            Sintam-se em casa pois a cidade de Balsas é sua.

Importância do evento

            Sediar o IIo Encontro  Regional do Ministério Público em Balsas  é  evento de grande importância. Vive-se uma crise institucional local, estadual, nacional e internacional. Estamos vivendo um momento histórico único: o mundo inteiro aspira a um modelo de sociedade diferente. No Brasil se diz : “um outro Brasil é possível”.

            Já a Constituição de 1988 gravou na alma brasileira algo da conquista das lutas populares das décadas anteriores. Pela primeira vez, consagrou-se com muita firmeza, o poder do povo como originário da organização política, definindo o município como “ente federativo autônomo”. Até esse momento vivia atrelado e dependente do Estado.

            Essa mudança de ordem constitucional é certamente um dos elementos da crise atual pois levanta a grande pergunta : como construir o PODER LOCAL ?  Como passar do exercício de um poder centralizado e centralizador ao exercício de um poder participação e participativo ? 

            Essa pergunta interroga : como será

-         o contrôle da Administração pública;

-         a gestão das políticas públicas;

-         a destinação e a utilização dos recursos públicos;

-         as medidas que priorizam investimentos na área social para reverter o quadro social ?

Responde a Constituição

Pela democracia popular, isto é pela participação popular. A este fim criou a Constituição Federal diversos mecanismos :

-         o referendo;

-         o plebiscito;

-         as consultas e audiências públicas;

-         os conselhos de gestão política e serviços públicos.

Esses mecanismos tem vital importância por garantir o respeito dos valores da democracia e da justiça, a proteção dos direitos da pessoa humana e a construção de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos.

            O poder emana do povo e é exercido de forma direta e indireta por meio de representantes eleitos. O município é autônomo e o povo é soberano.

Nossa responsabilidade

            Nesta perspectiva de construção do PODER LOCAL e nessa necessidade de passar do modelo do poder centralizador ao modelo do poder participativo, qual poderia ser nossa responsabilidade ?

            Arrisco uma opinião. Aceitando, nesse visão, que o contrôle da administração pública cabe ao povo, o que será a responsabilidade de todos nós, como integrantes do Jurídico, do Legislativo e do Executivo ? Acredito que somos chamados a exercer o papel de orientador e de educador junto a muitos políticos em exercício e junto ao povo aculturado ao exercício da dependência e dos favores.

            A necessidade desta mudança de papel poderia ser uma contribuição de relevância para atravessar a crise atual. As lutas populares anteriores à Constituição atual demonstraram a necessidade de priorizar a construção da democracia e da cidadania para mudar a relação entre a Administração pública e a cidadã/cidadão.

            Trata-se então de ajudar o Povo a assumir o Poder que lhe pertence e a nós, cabe assumir o papel de servidores e servidoras.

Conclusão

Parabéns pelo evento que marcará a cidade de Balsas.

Deus queira que este encontro contribua para, nos diversos municípios da região, aproximar, no respeito das respectivas autonomias, o jurídico, o legislativo e o executivo na correção mútua e na busca de soluções aos graves problemas pelos quais passa o povo do Maranhão e dos municípios do Estado.

É o desejo que a administração atual de Balsas expressa e, em nome do Sr. Prefeito, Jonas Demito, e do seu secretariado, digo-lhes : sintam-se em casa pois a cidade é também sua.

                                                           Victor Asselin

À quem interessa

        

À  quem  interessa? *

         No dia 5 de maio terminaremos a volta aos diversos municípios da diocese. “Políticas Públicas” foi o tema dos diversos mini-congressos municipais e paroquiais. As equipes locais de acordo com o objetivo que deram ao mini-congresso, determinaram a sua duração e a natureza dos participantes. Assim sendo, houve em certos municípios, encontro, tipo Assembléia Popular e em outros lugares, encontro de formação de liderança. É o que explica, em grande parte, a freqüência variada nos diversos municípios como, por exemplo,  “Feira Nova” reuniu mais de 200 participantes e Pastos Bons congregou 40 representantes de diversas entidades do município. Mais de mil pessoas terão participado do estudo sobre “Políticas Públicas”

         A experiência merece ser avaliada e aprofundada pois permitiu um contato, embora breve, com diversas situações que levantaram interrogações sobre o caminhar da Igreja Local e sobre a formação de sua liderança. “Nossa vista clareou…” cantava-se…  A PARTICIPAÇÃO é mesmo o sinal visível da qualidade de CIDADÃO e de CIDADÃ.

         Uma grande descoberta : “Todo PODER vem do POVO…” Esse “poder” é inerente à pessoa humana e não se entrega para ninguém. Trata-se da DIGNIDADE de todo ser humano. Não foi o que justificou a passagem de Jesus no mundo, obra do Pai ?  FÉ e POLÍTICA são feitas para andar juntas pois as duas devem procurar a felicidade de todos.

         Andando de município em município comprovou-se a urgência de POLITIZAR a ação pastoral atual da Igreja e de DESATANIZAR a política. Sentimos, com este despertar, a entusiasmo de muitos e o desejo de engajamento de outros. Cuidar do Mundo é cuidar de Deus.

         Outro fato revelador é que a reflexão ajudou a entender melhor a realidade de cada lugar, a discernir o seu caminhar e a fazer nascer um tipo de celebração expressiva de uma mística cheia de Esperança. Uma criatividade que merece destaque !

         No final de cada encontro sentiu-se o desejo de continuar. Houve este apelo em alguns municípios. A necessidade de formação é grande a nível da liderança da Igreja assim como para os conselheiros, vereadores, dirigentes de movimentos e associações e funcionários municipais. Uma Igreja FERMENTO, SAL, LUZ ?  É possível sonhar ?

                                                                                   Victor Asselin

* Balsas é uma diocese ao sul do Estado do Maranhão, norte do Brasil. No período de fevereiro-maio 2002, uma equipe da Igreja de Balsas visitou os 18 municípios de sua diocese e realizou neles mini-congressos em preparação à sua participação ao Congresso do Estado do Maranhão, organizado pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, Nordeste 5, tendo por tema “POLÍTICAS Públicas”.