JONAS DEMITO – O fim de um mandato de prefeito

                         JONAS DEMITO – O fim de um mandato de prefeito 

            Nunca pensei, nunca pedi, nunca imaginei e nunca desejei assumir a chefia de Gabinete da Prefeitura de Balsas. Vieram me buscar e aceitei, após consultas e discernimento, para prestar um serviço ao POVO de Balsas. Havia apelo para colaborar com a administração JONAS DEMITO e este o queria ardentemente. Fiz promessa comigo mesmo de nunca ser cúmplice de injustiça e exigi transparência e honestidade como condição para ficar no cargo. Tinha conhecimento de certas dificuldades. Foi uma decisão consciente. Aceitava entrar numa TERRA DE MISSÃO onde existem adversidades, resistências a mudanças, pois mudança sempre assusta e mais ainda quando são mudanças de vícios que o tempo chama de rotina, hábitos conservadores e desinteresse pela « coisa pública ». Felizmente encontrei um grupo de assessores comungando ao mesmo ideal e dispostos a lutar juntos, entre elas o prefeito Jonas Demito.

            Os comentários de rua a respeito da administração e do administrador eram péssimos. A mídia, formadora de opinião, esquecia a ética para divulgar notícia sem visão de tal maneira que prevalecia o jogo de interesse muito conhecido em meio político. O prefeito acreditava e acredita que mais cedo ou mais tarde a VERDADE triunfará.

            Dia após dia aprendi a conviver com este homem, humano, humilde, frágil à pressão de quem o explora mas sempre aberto ao diálogo e à correção. Após um ano de presença no Gabinete da Prefeitura, afirmo para quem quer ouví-lo : « é possível trabalhar na política com transparência e honestidade a serviço do povo ». Para que isso aconteça é necessário firmeza, ética e mística. Jonas Demito cometeu diversos erros administrativos, na maioria das vezes por pressão de grupos , indivíduos e até de assessores mas dificilmente alguém poderá provar que se enriqueceu com o dinheiro público. Ele, com muita simplicidade, o reconhece e leva em consideração as suas limitações. Há quem hoje divulga e pressiona para que esse homem se afaste da campanha política por considerar sua administração prejudicial e se usam todos os meios possíveis para afastá-lo. Resquícios da ditadura militar. Felizmente não são pensamentos que passam pela cabeça do povo e nem na cabeça de políticos conscientes de sua responsabilidade.

            A situação da Prefeitura de Balsas não é conhecida pelo público em geral e até pela maioria dos seus funcionários. É uma Prefeitura ainda dependente das transferências, sem renda própria significativa. Apesar disso, é uma das únicas prefeituras do Estado do Maranhão que mantém sua folha de pagamento em dia e, quando atrasa, é apenas de uns dias. Os avanços dados nesta administração são grandes. Espera-se ainda apresentar à população um relato mais completo destes quatro últimos anos de trabalho. Basta apenas lembrar que a administração atual assumiu as contas das administrações anteriores. Só no Tribunal de Justiça de Trabalho havia mais de duzentos processos de 1986-2000. Tem-se hoje uma conta bancária onde mensalmente é depositada uma cota do Fundo de participação para efetuar o pagamento destas dívidas.

            O que pretendo com este artigo ? Prestar homenagem a um homem que deixará a prefeitura em 31 de dezembro próximo  ? defender interesses pessoais ? procurar vantagens para o futuro ? iludir a opinião pública ? Nada disso. Quero apenas chamar a atenção da importância da ética numa campanha política. Quero apenas denunciar os mecanismos centenários usados para conquistar o VOTO DE FAVOR em lugar de defender com lucidez um projeto de sociedade que leve todos e todas a participar na conquista de sua cidadania. É tempo de demonstrar que o compromisso de cristão e de cristã é na RUA, é nos VALORES. Sonho o dia em que um grupo de mandatários e de funcionários chegue a assumir a POLÍTICA como o exercício mais alto da caridade. Sonho o dia em que o povo assumirá em verdade sua dimensão política. E para isso, é hora já de saber avaliar com objetividade e imparcialidade.

            O mestre Leonardo Boff na sua visita em Balsas no mês passado apresentava três critérios para que seu voto fosse dado para o bem do seu município. Peço licença para relembrar :

  1. OLHE AS MÃOS . Não olhe a BOCA

Acrescento : olhe também os pés. Em outras palavras olhe a vida anterior de cada candidato , o que fez e não o que diz.

   2.   EXAMINE A LIGAÇÃO que tem com o POVO.

Quem é o candidato que está perto de você ? só em tempo de eleição ? tem sensibilidade para com as necessidades do seu bairro. Em outras palavras é alguém que sabe distribuir FAVORES (cesta, remédio, viagem etc…) ou alguém que luta para defender seus DIREITOS ?

   3.   Há projetos NOVOS, ATUAIS ?

O seu candidato(a) a prefeito tem projeto de Governo ? Esse projeto tem algo NOVO ou apenas repete o VELHO ? O seu candidato(a) a vereador sabe o que é ser legislador ou apenas quer ser mais um secretário do Executivo ?

       Meu caro leitor e minha cara leitora, fique com estas reflexões. É tempo de criar o NOVO. Quando o cego passa a ver, quando a aleijado passa a andar, quando o leproso passa a ter uma pele sadia, quando o preso passa a gozar de sua liberdade, é o TEMPO NOVO que está chegando. É a NOVA SOCIEDADE que está se construindo.

Novembro de 2004

                                                                Victor Asselin

Comments are closed.